[Memory Khard] – Filmes de Boxe

Antes mesmo das civilizações grega e romana, há indícios arqueológicos que indicam que o homem praticava lutas usando as mãos, desferindo golpes uns contra os outros. Os gregos e romanos também praticavam lutas deste tipo com objetivos esportivos (caso dos gregos) ou de simples diversão (caso dos romanos).
Porém, o boxe só ganhou algumas regras, aproximando-se do que é hoje, no século XVII, no Reino Unido. Foi no ano de 1867, que o uso de luvas e o número de assaltos foram determinados como regras oficiais.old-boxing-gloves

Para tornar as lutas mais competitivas, as regras do boxe definiram categorias que variam de acordo com o peso do lutador (boxeador ou pugilista).

boxing-ring

As lutas profissionais possuem, no máximo, 12 assaltos com 3 minutos cada. Porém, em determinadas competições o número de assaltos pode ser menor. Nas Olimpíadas, por exemplo, são 3 rounds de 3 minutos cada. O boxe é um esporte, também considerado arte marcial, que faz parte dos Jogos Pan-Americanos e também das Olimpíadas.
No Memory Khard sobre grandes mestres, citei meus filmes favoritos e seus respectivos atores. Chegou a hora de falar dos meus filmes de boxe favorito.

touro-indomavel

Touro Indomável – 1980

Scorsese é considerado por muitos o melhor diretor de cinema de todos os tempos. Leonardo Di Caprio deve muito a sua carreira de sucesso a Scorsese, muitos atores de sucesso tiveram a honra de ser dirigido por esse grande diretor. Robert DeNiro fez Touro Indomável em 1980 e é para mim um dos melhores filmes de boxe já feito. Scorsese afirmou (em entrevista falando no bônus do DVD) que nunca se interessou por esporte, portanto ele jamais faria um filme como aquele, já que se tratava da biografia de um lutador de boxe que se gabava de nunca ter sido nocauteado, Jake La Motta. Foi através da insistência de DeNiro que Scorsese aceitou o desafio. O ator convenceu o diretor de que não se tratava do esporte, mas do personagem fascinante, que possuía uma personalidade ambígua com a qual o próprio Scorsese poderia se identificar. E foi o que aconteceu.  Os dois mergulharam física e psicologicamente no universo de Touro Indomável: Scorsese aprimorou ainda mais suas técnicas de filmagem, criando cenas de extremo realismo dentro da arena de luta, cenas estas que até hoje são referências pelo modo preciso com a qual foram coreografadas, fotografadas e filmadas. DeNiro engordou quase 30 kg para viver LaMotta em sua fase decadente, e consagrou-se com o Oscar de Melhor Ator em 1981. A grande maioria dos críticos e cinéfilos considera esta a grande atuação de toda a sua carreira que abrange mais de cinco décadas. Apesar de o filme ser de 1980 o principal destaque é o filme ser todo preto e branco que da um clima noir muito bem produzido.

million-dollar-baby

Menina de Ouro – 2004

Clint Eastwood é considerado por muitos o maior Brucutu de todos os tempos, existe um jeito de nós enxergarmos o mundo e como Clint enxerga o mundo e nessa onda ele decidiu ser diretor e fez outro filme de boxe fantástico e polemico que foi Menina de Ouro.

A trama mostra Maggie (Interpretada por Hilary Swank), uma “caipira” americana que trabalha como garçonete e tem um sonho: ser lutadora de boxe. Tentando buscá-lo, ela passa a treinar em uma academia à procura de um treinador. Depois de muita insistência ela consegue um lugar para treinar e um treinador chamado, Frankie Dunn (feito pelo próprio Clint Eastwood), que inicialmente a rejeitou, acaba sucumbindo à insistência e aceita treiná-la. A própria trajetória da Maggie é bem tortuosa. Ela vem de uma família pobre e que – considerando que há uma cena em que ela leva para casa um bife deixado por um cliente – provavelmente passa fome. Mas mesmo assim, ela não desiste do sonho. Mesmo sendo rejeitada, ela insiste, e prova que é possível alcançar aquilo que sonhamos. É um filme que tem seu arco final denso, deprimente e com um desfecho final muito polemico que é a questão da eutanásia. Não vou dar spoiler do final, mas a nossa vida decidimos o que é melhor para ela, arriscamos muito em nosso dia a dia e temos que tomar decisões que cabem a nós mesmo saber o que é importante para nós mesmo. Destaco as interpretações de Morgan Freeman e do próprio Clint Eastwood que foi brilhante como diretor e ator.

hurricane-o-furacao-1999

Hurricane – O Furacão – 1999

Denzel Washigton é o meu ator preferido de todos. Sempre quando tem Denzel na televisão paro para assistir, falando nisso tenho que ir ver Sete Homens e um Destino, mas isso não vem ao caso agora. O que quero dizer que Denzel fez um filme de boxe que por sua interpretação, entrega e determinação a fazer o papel é o meu segundo filme da vida. Falo de Hurricane- O Furacão.

“Here comes the story of the Hurricane The man the authorities came to blame”

Com esse refrão da musica cantada por Bob Dylan falo daquele filme que é o segundo melhor papel de Denzel Washigton. O filme ele é baseado em fatos reais que falam da historia de Ruben Hurricane Carter, que foi preso injustamente por um crime que não cometeu. A vida de Hurricane foi romanceada no filme, acusado por alguns de ter desperdiçado valiosa oportunidade de alertar e informar as pessoas sobre as injustiças cometidas pelo sistema judicial criminal dos EUA. O filme não passaria de mais uma entre as várias operas produzidas ao gosto norte-americano. O filme evitou crítica direta às instituições. Todas as injustiças cometidas contra Hurricane foram personificadas em único desafeto: um fictício policial racista, de origem italiana. O policial que, por inexplicáveis motivos pessoais, o persegue por toda a vida e acaba por alterar e deturpar os indícios do crime. Sua vida é, então, exemplo para todos aqueles que, ainda hoje, sofre com a contaminação do sistema judiciário por preconceitos e barreiras sociais. Denzel Washington encarna um Hurricane excepcional. Coerente e intelectualizado, o boxeador desenvolve seus próprios métodos de resistência. Sente-se, desde o início, que sua luta não é contra o sistema judicial que o aprisionou. Sua luta maior é pela autopreservação, pela inviolabilidade de seu ser.

Texto David Ferreira
Revisão J. A. Zacharski
Os Kharas

About Os Kharas

Viva a aventura!